sábado, 9 de abril de 2011

AFIRMAÇÕES SEM PROVAS - DOSTOIEVSKI


Com a inusitada violência na escola de Realengo, Rio de Janeiro, muito se falou sobre a falta de valores de boa parte da nossa juventude, o que me fez relembrar um texto fantástico do genial Fiodor Dostoievski, extraído do "Diário de Um Escritor". No texto, ele fala especificamente a respeito do suicida, mas a mesma argumentação cabe, sem sombra de dúvida, ao assassino.Ainda mais, quando sucedido pelo suicídio...O artigo não poderia ser mais procedente e atual. Ele entendia bem da coisa: quem criou o imortal personagem Raskolnikov, tem autoridade suficiente para expor a questão... Deixo você com ele, para sua reflexão.
"Meu artigo é relativo à idéia mais elevada da vida humana, a necessidade indispensável da crença na imortalidade da alma. Quis dizer que sem esta crença a vida é insuportável. Parece-me ter enunciado claramente a fórmula do suicídio lógico.
O meu suicida não acredita na imortalidade da alma e assim fala desde o início do artigo. A pouco e pouco, pensando que a vida humana é absurda. A presenta-se-lhe tão claramente como a luz do dia que tão somente os homens semelhantes aos animais, e que satisfazem a necessidades puramente animais, podem consentir em viver. Tais indivíduos vivem "para comer, beber e dormir".como os brutos "para fazer o próprio leito e procriar". Engolir, roncar e sujar talvez seduza o homem por muito tempo, ligando-o à Terra; mas não a mim, homem superior, está claro. Não obstante, são os homens do tipo superior que sempre reinaram sobre a Terra, e nem por isso o que tinha de acontecer se deu de maneira diferente.
Mas há uma palavra suprema, ma idéia suprema, sem a qual a humanidade não pode viver. Muitas vezes pronuncia-o o pobre, sem influência, até mesmo perseguido. Mas a palavra pronunciada e a idéia que exprime não morrem e mais tarde, apesar da vitória aparente das forças materiais, a idéia vive e frutifica. Disse N.P. que semelhante confissão em meu Diário constitui um anacronismo ridículo, porque estamos atualmente no século das "idéias de ferro", das idéias positivas; no século da "vida sobretudo". Por isso, sem dúvida, aumentou tanto o número de suicidas entre as pessoas inteligentes e cultas. Asseguro ao digno N.P. e a todos os seus semelhantes que o ferro das idéias se transforma em algo muito mais brando quando chega a hora. Quanto a mim, uma das minhas maiores preocupações quando penso em nosso futuro é precisamente o progresso da falta de fé. A falta de crença na imortalidade da alma se arraiga cada vez mais ou, para dize-lo melhor, nota-se em nossos dias absoluta indiferença para essa suprema idéia da existência humana: a imortalidade. Tal indiferença converte-se em particularidade da alta sociedade russa. É mais evidente entre nós do que na maior parte dos países europeus. E sem esta idéia suprema da imortalidade da alma não podem existir nem homens nem nação. Todas as grandes idéias restantes derivam desta.
O meu suicida é um propagandista apaixonado da sua idéia: a necessidade do suicídio; mas não é nem indiferente, nem 'homem de ferro'. Sofre realmente; creio te-lo feito compreender. É para ele demasiado evidente que não pode viver; está convencido que tem razão e não se pode refutá-lo. Para que viver, se está convencido que é abominável viver vida animal? Dá-se conta da existência de harmonia geral; di-lo à consciência, mas ela não se associa. Não o compreende...Onde, então, está o mal? Em que se enganou?O mal está em ter perdido a fé na imortalidade da alma.
Não obstante, procurou com todas as suas forças o sossego e a conciliação com o que o rodeia. Quis falar no 'amor à humanidade. Mas isto também lhe escapa. A idéia de que a vida da humanidade nada mais é do que um instante; de que tudo, mais tarde, se reduz a zero, mata, dentro dele, até mesmo o amor à humanidade. Tem-se visto em famílias desgraçadas e desunidas de pobres, sentir horror aos filhos, por sofrerem demais com a fome; aos próprios filhos a quem queriam tanto! A consciência de em nada poder socorrer a humanidade sofredora é capaz de transformar o amor que por ela se sente em ódio. Os senhores das 'idéias de ferro' claro que não acreditarão em minhas palavras. Para eles o amor à humanidade e sua felicidade está tão bem organizado que não vale à pena pensar nisso. E desejo faze-los rir de qualquer maneira. Declara, portanto, que o amor à Humanidade é inteiramente possível sem a crença na imortalidade da alma Humana. Os que querem substituir esta crença pelo amor à Humanidade depositam na alma dos que perderam a fé o germe do ódio à Humanidade. Que dêem de ombros os sábios das 'idéias de ferro' ao ouvir-me exprimir tal idéia. Mas esta idéia é mais profunda que a sabedoria deles, e chegará o dia em que se transformará em axioma.
Chego mesmo a afirmar que o amor à Humanidade é em geral pouco compreensível(leia-se inacessível) para a alma humna. (E, além disso, sem provas).
Em resumo, está claro que sem crenças, o suicídio se torna lógico e até inevitável para o homem que apenas se elevou acima das sensações da besta. Ao contrário, a idéia da imortalidade da alma, prometendo a vida eterna, sujeita o homem mais fortemente à Terra. Nisto parece existir contradição. Se, distinta da vida terrestre, temos outra celeste, para que fazer muito caso desta aqui embaixo? Mas é somente pela fé na imortalidade que o homem se inicia no fim razoável da vida sobre a Terra. Sem a convicção na imortalidade da alma, o vínculo do homem em relação ao planeta diminui, e a perda do sentido supremo da vida conduz incontestavelmente ao suicídio. E se a crença na imortalidade da alma é tão necessária à vida humana é por ser o estado normal da Humanidade, provando que a imortalidade existe.Em uma palavra: esta crença é a própria vida e a primeira fonte de verdade e de consciência real para a Humanidade.
Eis aí o objetivo do meu artigo, a conclusão a que desejava que cada um chegasse quando o escrevi".
(1873)

3 comentários:

Alan Vignoli disse...

Dostoievski, um genio, sempre atual.

Marli Boldori disse...

Milu, estou aqui novamente para continuar com minha visita e aprendizado em seu espaço cultural.Realmente Dostoievski é a representação russa na literatura.Grande sábio,se acreditarmos na imortalidade da alma,estamos no caminho certo....
Milu,um grande abraço.Fiquei maravilhada com sua atual postagem.
Um grande abraço!

Regina disse...

Que ótimo esse seu espaço Milu. Li vários autores russos, mas Dostoievski, sem dúvida, é o meu preferido.

GOSTOU DO BLOG? LINK ME

www.russiashow.blogspot.coms